RBC AM 580

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

LIÇÃO 5 - JESUS ENSINA SOBRE A FELICIDADE

Ao Mestre
Cada classe de Escola Dominical possui sua dinâmica, seu jeito de ser, sua maneira de fazer acontecer a aula.. A nossa preocupação não é só com a maneira que sua classe está acostumada a fazer, mas como esta maneira pode ser enriquecida através do conhecimento daquilo que as crianças podem e devem aprender. Por exemplo, é muito bom:
*  Receber as crianças com atenção e alegria, fazendo-as sentirem- se importantes e necessárias.
*  Ter momentos de louvor com cânticos possuam letras que edificam suas vidas, de preferência relacionadas com o tema da aula.
*  Reservar um tempo para a memorização do versículo da lição.
*  Realizar oração conjunta, ensinando que deve ser feita com os olhos fechados para que não prestemos atenção no sapato do amigo, no cabelo da amiga, afinal vamos conversar com o Senhor Jesus. Estimular a todos para que orem.
*  Ter todo o material da aula à mão para que não haja interrupções.
Fazendo assim, com certeza, sua aula será muito mais produtiva e muito alegrará ao Mestre dos mestres.
Caso queira reproduza o quadro abaixo, aproveitando o tema da lição de hoje, mostrar aos pequenos as bem aventuranças do aluno da Escola Dominical
Fonte:Revista Juniores Mestre -  CPAD – Ano 2006
Texto Bíblico: Mt 5.1-12.
Objetivo
Professor (a) ministre sua aula de forma a conduzir seu aluno a:
Compreender que a verdadeira felicidade, consiste em sermos obedientes à Palavra de Deus, cumprindo a Sua Vontade.

Introdução
Podemos dizer sem sombra de dúvida que, entre os sermões proferidos pelo Senhor Jesus aos seus discípulos, o mais conhecido é o Sermão do Monte, ou, as Bem-aventuranças. Este sermão nos traz de forma marcante e extremamente clara, a essência e a natureza da Doutrina de Cristo. Esforcemo-nos, pois, para fazer desse ensino o ideal de vida para nós, e pra os “pequenos” que o SENHOR nos confiou, de forma que venhamos a praticar em nosso cotidiano o cristianismo genuíno que nos foi ensinado pelo MESTRE os mestres.
O Ministério de Jesus
Falando dentro de um contexto geográfico, a maior parte do ministério do Senhor Jesus se desenvolveu ao norte de Israel, nas redondezas do Mar da Galiléia. Naquelas imediações está o Monte das bem-aventuranças, ali o SENHOR ensinou acerca dos princípios gerais do Reino de Deus, ou seja, o SENHOR explanou de forma pedagógica as vigas mestras que constituem o modelo de vida cristã, isto é, a sua ética, para todos quantos desejam fazer parte do Reino de Deus.
Seguindo os costumes dos rabis, Jesus ficava sentado enquanto ensinava.
As bem-aventuranças e os demais princípios do Sermão do Monte apontam para “compromisso”, este é o padrão ético constituído por Deus para o seu povo, com o qual cada crente deve estar comprometido, é o referencial que norteia a vida cristã. Nas bem-aventuranças o cristão é conclamado a (em quaisquer circunstâncias que possam surgir em sua vida) viver permanentemente sob a graça de Deus em Cristo.
As Bem-aventuranças ou beatitudes expressam como deve ser a vida do cristão, onde está sua verdadeira realização e como conseguirá obter não somente a felicidade, mas a vida eterna. Não em vão as bem-aventuranças foram chamadas “O compêndio do Plano de Deus para o Homem”.
No Sermão do Monte (Mt 5.1- 7.27), encontramos os atributos primários das pessoas que recebem a regra do Reino que Jesus traz. Há nove referencias diretas do Reino pedindo: humildade (5.3); disposição e sofrer perseguição (5.10); recusa em substituir comportamento genuinamente correto por falsa piedade (5.20); uma vida de preces (6.10,13); prioridade para os valores espirituais sobre os valores materiais (6.33) e acima de tudo, reconhecimento da Autoridade do SENHOR ao obedecer à vontade revelada de Deus (7.21).
Neste Sermão, vemos claramente a autoridade que o Senhor Jesus espera delegar aos seus servos será exercida somente para aqueles que estão dispostos a aceitar a regeneração da alma e a renovação de comportamento.
Estes são os chamados à vida e o ministério do Reino inclui a expectativa de que o Fruto e os Dons gerados pelo Espírito Santo se desenvolverão no crente. O mesmo Espírito que distribui  Dons de Poder para o serviço no Reino, também age em nós para originar qualidades divinas de vida, de amor e um caráter consagrado a Deus.
Amado (a) enfatize aos  pequenos que, todo o Evangelho é um convite para viver das virtudes e dos dons do Espírito Santo. Cada passo da vida de Jesus, cada palavra saída de sua boca nos leva a buscar a Deus com mais amor, a vencer as tentações, a agir bem. Se assim fizermos verdadeiramente seremos felizes.
Muitos podem ate pensar que são crianças para tais verdades, digo-lhes que não os subestimes, estamos vivendo dias em que Satanás montou uma estratégia que está tragando milhares de juniores, pré adolescentes e adolescentes com essa musica funk, repleta de pornografia, apologia ao crime, as drogas e ao sexo libertino.
O que mais vejo atualmente são crianças destas três faixas etárias, com celulares nas ruas e ônibus com essas músicas, e o que fica em seu subconsciente? E o que farão na primeira oportunidade que tiverem? – irão consumar o convite que ouvem através dessas musicas imundas.
Por isso mais uma vez digo: fale a eles acerca de onde acharão a verdadeira felicidade, obedecendo aos ensinos de Jesus, não sucumbindo as tentações e convites que satanás, o mundo e falsos amigos lhes fazem, porque uma vez aceitando será uma trilha de dor e sofrimento.
Qualidades do Bem-Aventurado (Mt 5.1-16).
Cada Beatitude inclui um pronunciamento de benção, e uma explicação, ou seja, o porquê, dessa benção.
“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus”: ser pobre no espírito é dar a Cristo o absoluto primeiro lugar, o trono, o controle total da minha vida pela fé, obediência, e humildade. Ser pobres de espírito é ter a capacidade de esvaziar-se de todos os sentimentos egoístas, é não nos julgarmos auto-suficientes. Os pobres de espírito não vivem ansiosos, nem autoconfiantes, mas dependem sempre do SENHOR pela fé, pela oração, firmados nas promessas divinas e na esperança do reino dos céus na sua plenitude.
- Obedecer resultará em: Vida eterna; Maturidade em compreender-me, aceitar-me e agir sob o ponto de vista de Deus; Maturidade em submeter-me a Deus e às autoridades.
- Desobedecer resultará em: Condenação eterna (Rm 6.23); Espírito crítico e insubmisso (Pv 13.10; 29.1, 23).
“Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados”: chorarbiblicamenteé o pesar do arrependimento, é chorar pelos meus pecados; ser sensível à voz de Deus; e às reais necessidades dos outros.
Esta segunda bem-aventurança nos leva ao quebrantamento, não é autocomiseração, ou de tristeza egocêntrica. Mas é quebrantar-se com “tristeza segundo Deus” (2 Co 7.10), em razão de nosso próprio pecado.
- Obedecer resultará em:  Vida com propósito; orações respondidas.
- Desobedecer resultará em:  Falta de visão (Pv 29.18); Espírito insensível, frívolo (Ef 5.4); Orações não respondidas (Tg 4.2,3)
“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”:ser manso não denota fraqueza, ou ser conivente e omisso com os erros, mas sim uma energia controlada. A palavra no original contém a idéia de humildade e autodisciplina. Ser manso é perceber que todos “meus” bens, “meus” direitos, realmente pertencem a Deus! Foi-me apenas temporariamente cedido, para administrá-los segundo a Vontade e para a glória do SENHOR, a Quem tudo pertence. A mansidão se contrapõe ao ódio, à violência e ao estilo agressivo das conquistas humanas. Quando os que possuem “espírito manso” se apresentam, inibem atitudes que poderiam resultar em conflitos.
- Obedecer resultará em: Viver pela fé; Habilidade para esperar nas promessas de Deus; Vitória sobre ira e preocupação.
- Desobedecer resultará em: Espírito teimoso, rebelde (1 Sm 15.23); Espírito ansioso (Fp 4.6); Espírito iracundo(Ef 4.30-32; Pv 22.24,25).
“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos”: ter fome e sede de justiça é desejar profundamente agradar meu Senhor, a tal ponto que meu supremo objetivo é fazer todos os princípios da Palavra tornarem-se parte natural da minha vida. “Fome e sede” são termos que denotam estrema necessidade. Digamos que é como um organismo faminto e sedento, o cristão não desfrutará de paz e calma de espírito enquanto não sentir a presença de Deus, o que implica viver não somente em retidão espiritual, mas também não se conformar com as injustiças e opressões que prevalecem no mundo.
- Obedecer resultará em:  Crescimento espiritual; Real satisfação; Gozo real.
- Desobedecer resultará em: Vazio espiritual (Ec 12.8; Mt 12.44,45; Lc 15.19); Mornidão espiritual (Ap 3.15,16); Retardamento, paralisia, estagnação, e até atrofia espiritual (1 Co 3.1,2).
“Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia”: ser misericordioso é ter empatia e simpatia, expressar amor sincero e tangível pelo meu próximo, especialmente quando em necessidade; é genuína (e unilateralmente) perdoar aqueles que me ofenderam. Aqui expressa um sentimento emanante do amor de Deus e do coração daqueles que são guiados pelo Espírito Santo, a misericórdia é uma expressão do amor e da graça de Deus, deste modo é impossível entende-la como um sentimento ou uma virtude existente independente Dele. Mesmo os cristãos que a demonstra em suas ações têm consciência de que a amabiliade e a paciência com que tratam os outros, são derivadas da misericórdia divina.
- Obedecer resultará em: Poder para entender o amor de Deus, e para comunicá-lo.
- Desobedecer resultará em: Espírito ferido (Pv 18.14); Raiz de amargura (Hb 12.15).
“Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus”: ser limpo de coração  é purificar meu coração por permitir ao Espírito Santo controlar totalmente meus motivos, pensamentos, emoções-desejos, ações, e meu corpo. A pureza de coração é condição indispensável àqueles que buscam habitar com Deus no monte de sua santidade. Fomos chamados à pureza. Conservamo-la.
- Obedecer resultará em:  Autocontrole (espiritual, mental e físico).
- Desobedecer resultará em:  Vida de pensamentos impuros (Rm 1.28); Sensualidade (Jd 17-19); Impulsos incontroláveis (1 Ts 4.2-8).
“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus”: ser pacificador é pedir perdão a quem ofendi, confessando meu pecado e restaurando-o tanto quanto possível, sem esperar nem exigir ser perdoado, nem recíproco pedido de perdão. Procurar fazer a paz entre indivíduos e Deus, e entre indivíduos e indivíduos. Deus é pacificador, e seus filhos devem ser também. Deus está à procura de homens e mulheres que estejam prontos a levantar a bandeira das Boas Novas em meio aos conflitos e guerras deste mundo. A pacificação é uma qualidade inerente àqueles que amam e promovem a Paz.
- Obedecer resultará em: Demonstração de genuíno amor cristão; Paz interior; Consciência sem culpa por ofensas.
- Desobedecer resultará em: Atitude condenatória (Rm 2:1); Culpa, tristeza interior (Rm7:15, 24).
“Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus”:  suportar perseguição por causa da justiça  é não temer (mesmo que sozinho ou tendo que ser parte de um grupo de  perniciosos) ficar do lado da justiça, identificar-me verbalmente com Cristo e compartilhar minha fé. Tudo isto ciente, em paz interna, que muitos não me aceitarão unido a Cristo como Senhor da minha vida, e assim me rejeitarão e perseguirão. Somente aqueles que se assemelham a Cristo no seu sofrimento, a Ele se assemelharão no seu triunfo final.
 
- Obedecer resultará em:  Ousadia no testemunhar; Uma recompensa especial nos céus (Mt  5:12).
- Desobedecer resultará em: Espírito de temor (2 Tm 1:7,8.); Falta de força de vontade (Rm 7:18).
“Bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.”: suportarinjúrias,  perseguições e calúnias, por causa de Cristo é saber sofrer, mantendo a visão, a paz e a objetividade, no meio de ameaças à minha integridade. Lembremo-nos das palavras do apóstolo Pedro: “Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus.” (1 Pe 4.14-ARA). O compromisso com o Evangelho não admite outra opção (Mt 6.24), não há como ser amigo do mundo e, ao mesmo tempo, agradar a Deus. Lembremo-nos das palavras do apostolo João: Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.”( 1 Jo 2.15).
- Obedecer resultará em: Verdadeiro amor e coragem.
- Desobedecer resultará em: Fazer concessões (Gl 1:10); Medo dos outros (1Jo 4:18; Pv 29:25).
O Resultado: obedecendo às condições de Mt 5:3-16, serei bem-aventurado (feliz)!
Aplicação da Lição
Amado (a) enfatize aos pequenos que este é o padrão de todo àquele que quer ser filho de Deus, devemos ter em mente que esta forma habitual de ver a vida espiritual (que vemos hoje em muitos) que é o ter pelofazer enfatizando o ser, é contrário ao Ensino de Jesus e dos seus apóstolos que realçava o poder de ser, somente depois se ser, servo de Deus, é que se tratava do ter e do fazer, pois essa doutrina do ter e fazer era dos fariseus... que viviam uma devoção de fachada, para que os outros vissem, desprezando a verdadeira piedade, a verdadeira fé, a comunhão que emana do profundo da alma realmente convertida e consagrada a Deus.
Amado (a) faça um apelo aos “pequenos” (pois eles necessitam de uma vida cristã pura, de um contato genuíno com Deus), chame aqueles que querem verdadeiramente servir ao Senhor para orarem à Deus, faça uma oração apresentando-os ao SENHOR, para que Ele os guarde em Seu Caminho e os auxilie em servi-Lo. Deus abençoe ricamente seu ministério. Amém.
Colaboração para o Portal Escola Dominical: Profª. Jaciara da Silva.

Fonte: PortalEBD

0 comentários:

Postar um comentário